Top 10 similar words or synonyms for aquilon

spartiate    0.679125

guignes    0.652615

trapezoid    0.652559

marchosias    0.650062

zinovy    0.649644

forcé    0.646041

coanda    0.643544

hypsipyle    0.641072

steinhäusl    0.637116

ciryon    0.635261

Top 30 analogous words or synonyms for aquilon

Article Example
Clément Ader Entre 1890 e 1897, ele construiu três protótipos: o "Éole" (Avion I), financiado por ele mesmo, o "Zephyr" (Avion II) e o "Aquilon" (Avion III) que seriam financiados por fundos públicos.
Ader Avion III O Ader Avion III (também conhecido como Aquilon ou Éole III) foi o resultado da tentativa de Clément Ader de criar um avião entre 1894 e 1897, financiado pelo "Escritório de Guerra Frances".
Simca Chambord Apesar de sua boa aparência, a primeira versão do Chambord tinha o desempenho comprometido pelo motor Aquilon, um V8 fraco de válvulas no bloco, herança da Ford francesa, o que lhe valeu o apelido jocoso de ""O Belo Antônio"" (bonito, mas impotente). Em 1964 sua carroceria foi reformulada e recebe o motor Tufão de 100hp.
Horatio Nelson A frota britânica foi rapidamente atacada ao passar pela linha francesa. Nelson, no "Vanguard", ataca o "Spartiate", ao mesmo tempo que é atacado pelo "Aquilon". Pelas oito horas, Nelson estava junto de Berry no convés quando um estilhaço de um tiro francês o atingiu na fronte. Caiu no convés com ferimento grave no seu olho saudável e, atordoado e pensando que ia morrer gritou "Estou morto. Digam à minha mulher." Foi levado para baixo para ser visto pelo cirurgião. Após analisar o estado de Nelson, o cirurgião concluiu que não se tratava de um ferimento grave, e aplicou-lhe uma ligadura.
The Lost Hero O trio então recebe uma missão para resgatar a deusa. Annabeth sugere que eles sigam os espíritos do vento do Grand Canyon e encontrem Éolo a fim de conseguir pistas. O trio inicia sua missão e sua primeira parada é o castelo de Bóreas em Quebec, onde eles se encontram seus filhos Calais e Zetes e posteriormente com Quione, a deusa da neve. Em uma audição com o deus eles descobrem que os "anemoi" estavam em Detroit. Após isso, Bóreas se transforma em sua versão romana Aquilon ao ver a tatuagem "SPQR" no braço de Jason e deixa o grupo ir embora. Quando o trio chega em seu novo destino, Festus congela e eles caem em um armazém abandonado, que descobrem ser o lar de três ciclopes. Depois de Jason e Piper serem capturados, Leo destrói os monstros usando guindastes e seu recém-descoberto poder de controlar o fogo. No entanto, enquanto comemoravam a vitória, os ciclopes se reconstituíam, então os semideuses fogem rapidamente.
Batalha do Nilo Os disparos do "Audacious" contra o "Spartiate" significava que o capitão Maurice-Julien Emeriau estava perante três adversários. Em poucos minutos, os três mastros do navio francês foram derrubados, mas a luta em redor do "Spartiate" continuou até às 21h00, quando Emeriau, ferido, ordenou o arriar das suas bandeiras. Embora o "Spartiate" estivesse em desvantagem numéricas, tinha o apoio do seguinte navio da linha, o "Aquilon", o qual, contrariamente a todos os outros navios, estava a lutar apenas contra um único oponente, o "Minotaur". O capitão Antoine René Thévenard ustilizou as molas do cabo da âncora para virar o bordo do seu navio por forma a que este ficasse em posição de disparo contra a proa do navio-almirante de Nelson que, na sequência daquela manobra, sofreu mais de 100 baixas, incluindo o almirante. Pelas 20h30, Nelson foi atingido perto do seu olho cego por um estilhaço de ferro, de um disparo do "Spartiate". O estilhaço cortou-lhe um pedaço de pele que ficou pendurada na sua face, ficando temporariamente cego. Nelson caiu nos braços do capitão Edward Berry e foi levado para baixo. Certo de que tinha sido ferido mortalmente, gritou "Estou morto, digam à minha mulher", e chamou o capelão Stephen Comyn. A ferida foi examinada pelo cirurgião do "Vanguard" Michael Jefferson, que informou o almirante de que era apenas uma ferida superficial, e coseu o corte. Nelson tinha instruções do cirurgião para não se mexer mas ignorou os conselhos e voltou para o deque, antes da explosão do "Orient", para supervisionar a fase de encerramento da batalha. Embora a manobra de Thévenard tenha sido bem-sucedida, o navio ficou posicionou com a sua proa sob o fogo dos canhões do "Minotaur" e, pelas 21h25, o navio francês estava sem mastros e bastante danificado, o capitão Thévenard morto e os seus oficiais subalternos forçados a render-se. Com o seu adversário derrotado, o capitão Thomas Louis levou o "Minotaur" para sul para se juntar no ataque ao "Franklin".
Batalha do Nilo A 10 de Agosto, Nelson enviou o tenente Thomas Duval, do "Zealous", com mensagens para o governo na Índia. Duval viajou pelo Médio Oriente, por terra, via Alepo, e apanhou um navio desde Baçorá para Bombaim, onde informou o governador-geral, Richard Wellesley, da situação no Egipto. A 12 de Agosto, as fragatas HMS "Emerald", comandada pelo capitão Thomas Moutray Waller, HMS "Alcmene", lideradas pelo capitão George Johnstone Hope e HMS "Bonne Citoyenne", do capitão Robert Retalick, chegaram ao largo de Alexandria. De início as fragatas foram foram tidas como navios de guerra franceses e perseguidas pelo "Swiftsure", regressando no dia seguinte depois de se terem apercebido do erro. No mesmo dia, quando as fragatas chegaram, o "Mutine" partiu para a Grã-Bretanha com despachos levados pelo tenente Thomas Bladen Capel, que tinha substituído Hardy depois de este ter sido promovido a capitão do "Vanguard". No dia 14 de Agosto, Nelson enviou os navios "Orion", "Majestic", "Bellerophon", "Minotaur", "Defence", "Audacious", "Theseus", "Franklin", "Tonnant", "Aquilon", "Conquérant", "Peuple Souverain" e "Spartiate" para o mar sob o comando de Saumarez. Muitos dos navios tinham apenas mastros improvisados, e demoraram um dia para chegar até à entrada da baía; chegaram a mar aberto no dia seguinte. A 16 de Agosto, o "Heureux", que se encontrava encalhado, foi incendiado e destruído por já não estar operacional, e, a 18 de Agosto, o "Guerrier" e o "Mercure" também foram queimados. Um dia depois, Nelson partiu para Nápoles com o "Vanguard", o "Culloden" e o "Alexander", deixando Hood no comando do "Zealous", "Goliath" e "Swiftsure", e das fragatas recém-chegadas, para observar a actividade francesa em Alexandria.
Batalha do Nilo Os três navios britânicos seguintes - o "Vanguard", na frente, seguido pelo HMS "Minotaur" e pelo HMS "Defence" - ficaram em formação de linha de batalha e ancoraram no lado estibordo da linha francesa às 18h40. Nelson concentrou o fogo do seu navio-almirante no "Spartiate", enquanto o capitão Thomas Louis, do "Minotaur", atacava o "Aquilon", e o capitão John Peyton, do "Defence", se juntava no combate ao "Peuple Souverain". Com a vanguarda francesa em grande desvantagem numérica, os navios britânicos HMS "Bellerophon" e HMS "Majestic" passaram pelos XXX combates e dirigiram-se para a zona central da linha francesa, ainda fora do combate. Ambos os navios entrariam em luta com inimigos muito mais poderosos que eles, e começaram a ficar bastante danificados: o capitão Henry Darby, do "Bellerophon", não conseguiu ancorar perto do "Franklin" e, em vez disso, lançou âncora junto da zona do navio-almirante francês, enquanto o capitão George Blagdon Westcott, do "Majestic", também falhava a sua ancoragem e por pouco não colidia com o "Heureux", ficando debaixo do fogo do "Tonnant". Incapaz de parar a tempo, a antena da vela de estai do navio de Westcott ficou presa no brandal do "Tonnant". Do seu lado, os franceses também estavam a passar por dificuldades: o almirante Brueys do "Orient" tinha sido ferido com gravidade na face e num braço, por estilhaços, durante o início do confronto com o "Bellerophon". O último navio da linha britânica, o "Culloden" comandado pelo Troubridge, navegando demasiado perto da ilha de Abukir, no meio da escuridão, ficou preso nas rochas. Apesar dos esforços dos barcos do "Culloden", do brigue "Mutine" e do HMS "Leander" de 50 canhões, comandado pelo capitão Thomas Thompson, o navio de linha não pôde ser resgatado, e as ondas ainda empurravam mais o "Culloden" para as rochas, danificando, gravemente, o casco do navio.
Batalha do Nilo O conjunto de navios capturados de Saumarez fez a primeira paragem em Malta, onde deu apoio a uma rebelião na ilha entre a população maltesa. Seguiu para Gibraltar, onde chegou no dia 18 de Outubro para alegria da guarnição: Saumarez escreveu que "Nunca poderemos fazer justiça à forma como nos acolheram, e às saudações com que receberam a nossa esquadra". A 23 de Outubro, na sequência da transferência dos feridos para o hospital militar, e do abastecimento de bens essenciais, o comboio seguiu para Lisboa, deixando o "Bellerophon" e o "Majestic" para trás para manutenção mais exaustiva. O "Peuple Souverain" também ficou em Gibraltar: o navio estava demasiado danificado para navegar no Atlântico até à Grã-Bretanha e, assim, foi convertido em navio de patrulha sob o nome de HMS "Guerrier". Os restantes troféus, passaram por pequenas reparações e seguiram para o seu destino, chegando a Plymouth. Pela sua idade e estado, nem o "Conquérant" nem o "Aquilon" foram considerados aptos para o serviço activo na Marinha Real, sendo desmantelados, embora tenham sido comprados por libras ( libras em 2013) cada um, tal como o HMS "Conquerant" e o HMS "Aboukir", para providenciar uma recompensa financeira às tripulações que os capturaram. Montantes semelhantes foram pagos pelos "Guerrier", "Mercure", "Heureux" e "Peuple Souverain", enquanto os outros navios capturados valiam muito mais. Feitos de madeira de carvalho do Adriático, o "Tonnant" foi construído em 1792, e o "Franklin" e o "Spartiate" tinham menos um ano. O "Tonnant" e o "Spartiate", que mais tarde fariam parte da frota que participou na Batalha de Trafalgar, juntaram-se à Marinha Real com as suas designações antigas, enquanto o "Franklin", considerado como "o melhor navio de dois conveses no mundo", foi renomeado HMS "Canopus". O valor total das conquistas do Nilo foi estimado em libras (equivalente a libras em 2013)